27 de dez de 2009

O dia em que minha mãe estragou meu sonho de virar uma jogadora de basquete.

Ok, vai. Eu sei que esse é um daqueles textos que já entregam o final, típico daquelas manchetes do G1 que no próprio link já dão spoiller da matéria toda e você acaba por decidir se quer assistir/ler ou não. Assim, até é legal, mas eu tenho uma teoria de que isso acaba por fazer você selecionar tanto aquilo que você lê que você deixa de conhecer outros assuntos e fica limitado e eu nem sei mais porque to falando disso. E as minhas teorias são todas baseadas em mim porque eu tenho aquela visão limitada de que todas as pessoas são iguais a mim. Confundo narcisismo com religião e gosto de pensar que isso é apenas uma forma de igualdade racial que parte exclusivamente da minha visão pura.

Mas estava eu no supermercado com a bola na mão, fazendo cestas imaginárias, lembrando de quando na 8ª série eu realmente jogava basquete na escola e aquilo me divertia para caralho. Não tinha muito menina então era time misto e os caras eram bem mais altos de forma que a bola quase nunca chegaria na gente... claro, se a gente não jogasse sujo.

Mas mulher sempre joga sujo, né.

E sei lá, deu aquela vontade louca de largar tudo e virar jogadora profissional de basquete. Sei lá, só por um dia. Tenho 23 anos, posso treinar, ainda posso ganhar o mundo, eu gosto de pensar que eu posso ganhar o mundo.


- Filha, porque você tá com essa bola de basquete na mão?

- Porque eu quero ser uma jogadora de basquete

- Que nem você queria ser uma cantora de barzinho semana passada?

- Aham.

- Não.

- Não o que, eu vou comprar a bola de basquete.

- Vai jogar onde?

- Algum lugar aí.

- Com quem?

- Algumas pessoas aí.

- Você conhece alguém que joga basquete atualmente?

- Não.

- Então, né.

(...)

- Mãe, um dia quando eu for uma jogadora de basquete eu vou dizer para as pessoas que você não acreditou em mim. Eu vou falar que lembro como se fosse ontem, daquele dia, no Carrefour, há 10 anos atrás, minha mãe me PRIVANDO da oportunidade de ingressar num mercado de trabalho alternativo e saudável.

"E eu vou fazer carreira, vou jogar no exterior, vou conhecer pessoas diferentes, vou ser chamada para um time brasileiro, vou deixar de ter um apartamento com vista para a quadra de basquete da vizinha para ter um apartamento com quadra de basquete, e eu vou abrir uma linha de camisetas de basquete e eu vou em stand-up comedy de assunto basquete e eu vou assistir séries de basquete e eu vou no Jô Soares dar uma entrevista, e eu vou dizer "E foi assim, Jô, da noite para o dia, que eu vir...

-... cresci 20 cm e conquistei altura suficiente para virar uma jogadora de basquete, interrompeu minha mãe.

E esse foi o dia em que minha mãe estragou um sonho.

3 comentários:

@Reginacelia disse...

Ótima história de volta brusca à realidade. =D

Gleds disse...

20cm?

Ahhh... sua mãe é MUITO generosa!

Giuliano Bortolassi disse...

Ahmmm basquete?!

Na verdade as mães tentam salvar os filhos da humilhação publica... ela deve ter ficado com medo de voce se decepcionar jogando basquete... tsc tsc tsc... duvidando da sabedoria suprema das mães... q isso viu!! hahahahahahhahahahaha

abraço!