28 de ago de 2009

Marketing Pessoal

Esqueçam as regras, esqueçam as verdades. Não importa o que o produto faz realmente mas importa o que ele finge que faz. E essa aplicação não se dá somente através da relação comercial mas também nos relacionamentos e romances. É por causa disso que aquele cara que você tava afim fingiu que gostava de assistir comédia romântica e é por isso que você decorou todos os onze nomes daquele time de futebol idiota que ele torce (e até comprou a camiseta).

- Você não se incomoda de ter que ficar fakezando? E de a pessoa gostar de você pelo que você fingiu que era e não pelo que é?
- Hummmm, a mulher não precisa mentir muiti... porque o homem nunca presta atenção no que a gente é por dentro

(...)

Ele me disse que não gosta muito disso e eu respondi "eu acho que não gosto também". Mas de perto, ninguém é interessante. E a distância é fundamental. Não. Eu me distancio de mim mesma quando visto sua fantasia e me realizo com ela. E a gente finge que acredita em todas as mentiras que conta pro outro. E a gente brinca, assim, e fica bem, porque acreditamos nas nossas mentiras, de verdade.

E sabemos que é se é pra entrar no jogo, que seja pra ganhar.

3 comentários:

julio disse...

A melhor forma de se divertir sem precisar tirar a roupa é mentir.

Gleds disse...

And here we... go!

=)

Feliz pela tua volta à escrita. Ainda mais ainda pelo tom!

sam lovett disse...

"E sabemos que é se é pra entrar no jogo, que seja pra ganhar."


Falou e disse, mermão. E pra ganhá as mulé, tá ligado?